quarta-feira, 18 de dezembro de 2013

Roberto Asfora revela rombo na Prefeitura de Brejo da Madre de Deus


















O prefeito de Brejo da Madre de Deus, Roberto Asfora (PSDB), reuniu a imprensa pernambucana, na manhã de ontem (17), para apresentar um relatório fruto de uma auditoria realizada na prefeitura do município. A Tomada de Contas Especial obedece a uma orientação do Tribunal de Contas do Estado de Pernambuco (TCE-PE), que recomendou ao gestor uma análise detalhada nas contas da administração municipal - gerida, à época, pelo então prefeito Dr. Edson (PTB) - como forma de conhecer – e externar – a verdadeira situação fiscal dos cofres públicos.

Após quatro meses e meio de apuração, Asfora prestou contas de como encontrou a prefeitura. Ao lado da controladora-geral do município, Fernanda Ferreira, e da procuradora Anna Karolina, foram apresentadas, ao todo, 62 Tomadas de Contas Especiais.

“Estarei dando entrada hoje [ontem] no Ministério Público de Pernambuco, Ministério Publico Federal, Policia Federal e em todos os órgãos que possam apurar as irregularidades encontradas na Prefeitura do Brejo da Madre de Deus. Não faço isso com alegria, faço por oficio do dever. Se eu não procedesse desta maneira, eu poderia responder judicialmente por todos esses processos”, disse o prefeito.

De acordo com a documentação, até o momento foram identificados danos ao erário no valor de aproximadamente R$ 25 milhões. “Fora o que vai vir do Governo Federal. Ou seja, o rombo aos cofres do município pode chegar aos R$ 50 milhões”, disse a procuradora Anna Karolina.

Entre as irregularidades encontradas, destacam-se: debito com a previdência em torno de R$ 20 milhões; inadimplência do município devido a pendências em convênios firmados com o Governo do Estado e que impedem que o município receba uma ambulância para a unidade de saúde; irregularidades na folha de pagamento; dispensa de licitação para compra de cartilhas de combate ao mosquito transmissor da dengue e de combate ao crack; construção de uma quadra poliesportiva e uma creche sem a autorização da diocese, proprietária do terreno, que agora cobra na justiça o valor de R$ 2 milhões pela área.

Em face dos problemas apresentados, o prefeito disse que encontra grandes dificuldades para governar e que se não fosse o grande montante de dívidas, sua administração já teria outra dimensão. “Se a prefeitura não tivesse com esses débitos todos estaríamos andando muito bem, eu estaria dando outra dimensão à nossa administração. Agora, da maneira que está, tudo se torna muito difícil”, desabafou.

Blog do Magno Martins 

Nenhum comentário:

Postar um comentário