sábado, 29 de novembro de 2014

Mensaleiro Pedro Corrêa é acusado de pegar dinheiro com doleiro e também fazer parte do maior escândalo da história do país

Pedro Corrêa  cumpre pena na penitenciária de Canhotinho

SÃO PAULO - Ediel Viana da Silva, braço-direito do doleiro Carlos Habib 
Chater, disse nesta sexta-feira, em depoimento à Justiça Federal do Paraná, 
que o ex-deputado Pedro Corrêa era um dos que pegavam dinheiro no Posto da 
Torre, em Brasília, de propriedade de Chater. Corrêa presidiu o diretório
 nacional do Partido Progressista (PP). Chater está preso na PF do Paraná.

Pedro Corrêa, 66 anos, foi condenado a sete anos e dois meses de prisão no
 processo do mensalão, por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, e a pagar
 multa de R$ 1,13 milhão. Ele, que presidia o PP quando estourou o escândalo,
 autorizou um ex-assessor do partido, João Cláudio Genu, a sacar R$ 700 mil
 das contas de Marcos Valério, operador do mensalão e também condenado.

Corrêa começou a cumprir a pena no presídio da Papuda, no Distrito Federal.
 Transferido para Pernambuco, acabou no Centro de Ressocialização do 
Agreste, em Canhotinho. Em abril, obteve autorização da Vara de Execuções
 Penais para trabalhar como médico radiologista numa clínica de Garanhuns.
 Corrêa chegou a ter o mandato cassado em 2005 e se afastou da Executiva do
 PP. A filha dele, Aline Corrêa, é deputada pelo PP e não se candidatou na 
última eleição. Clarice Corrêa, outra filha do mensaleiro, teve o diploma de 
vice-prefeita cassado por abuso de poder econômico e poder político em Brejo 
da Madre de Deus no interior de Pernambuco.


Chater movimentava 375 “contas” para repasse de dinheiro por meio de 
contabilidade paralela do Posto da Torre. No posto também funcionava uma
 casa de câmbio, que passou a ser operada por um cunhado de Chater.

Segundo Ediel, eram poucos os políticos que iam no posto pegar dinheiro. 
Em geral, mandavam assessores. Gerente do posto desde 2003, Ediel também 
é réu por ter cedido seu nome para que o doleiro abrisse empresas de fachada. 
O posto, segundo ele, movimentava R$ 50 milhões por ano. A atividade ilegal,
porém, fazia com que a contabilidade do posto se tornasse caótica.

Na Justiça, Chater negou que tenha repassado dinheiro a políticos ou atuado 
como doleiro. Disse que os depósitos dos doleiros na conta do Posto da Torre 
eram empréstimos que fazia para capital de giro. Youssef, porém, confirmou que
 fazia remessas de propina, oriunda de desvios da Petrobras, para que Chater
 fizesse a entrega em dinheiro vivo.

Na contabilidade paralela do posto foram detectadas operações feitas com o 
codinome “amiguinha”, que se refere à doleira Nelma Panasso Kodama, outra 
presa na Lava-Jato.
No depoimento anterior, Ediel afirmara que João Claudio Genu ( ex-chefe de
 gabinete da liderança do PP na Câmara, também condenado no mensalão) e
 Pedro Corrêa, iam ao posto. Ao falar sobre Corrêa, afirmou que ele havia estado
 algumas vezes com Chater e que depois “saíram valores”.

Em depoimento à Justiça Federal do Paraná, o ex-diretor da Petrobras 
Paulo Roberto Costa disse que 1% dos contratos da Diretoria de Abastecimento,
 que chefiava na estatal, ia para o PP; o PT ficava com 2%. Youssef chefiava a 
distribuição para políticos do PP. Também o deputado Nelson Meurer (PP-PR) 
foi flagrado na contabilidade paralela do Posto da Torre, de Chater, que também 
prestou depoimento ontem à Justiça Federal do Paraná.


CHATER CITOU DIRIGENTE DO PT

Segundo Chater, o dinheiro do PT era arrecadado pelo tesoureiro do PT, 
João Vaccari Neto, que nega. A Lava-Jato não obteve provas sobre o 
envolvimento do petista. As informações são de que ele só movimentaria 
dinheiro vivo, para evitar rastros.

No último dia 14, Marice Correa da Lima, cunhada de Vaccari, foi levada a
 depor na PF em São Paulo. Num dos contatos por mensagens com Youssef, 
José Ricardo Breghirolli, executivo da construtora OAS, teria mandado entregar, 
em 3 de dezembro de 2013, R$ 110 mil a uma pessoa chamada Marice. 
O dinheiro foi entregue num apartamento em Bela Vista, em São Paulo.

Corrêa não foi localizado pelo GLOBO em Pernambuco, onde cumpre pena
em regime semiaberto. Na sede do PP em Pernambuco, ninguém atendeu. 
O mesmo aconteceu no gabinete do deputado Eduardo da Fonte, líder do 
PP na Câmara.

Do Estação Notícias Fonte: O Globo

Nenhum comentário:

Postar um comentário