Governo de Pernambuco

Governo de Pernambuco
Trabalhando

terça-feira, 27 de setembro de 2016

PF destrói 36 mil pés de maconha que tinham até sistema de irrigação em PE

Vídeo mostra sistema de irrigação de 2 km montado em fazenda de Pedra, PE.
Pés colhidos e prensados resultariam em 12 toneladas de maconha, diz PF.



Um total de 36 mil pés de maconha foram destruídos em uma fazenda localizada em Pedra, no Agreste de Pernambuco. O caso ocorrido no dia 20 de setembro foi divulgado na manhã desta terça-feira (27) pela Polícia Federal. De acordo com a PF, dois homens foram detidos no local suspeitos de cultivar o plantio e montar uma tubulação de 2 km para irrigar os pés de maconha. [Veja no vídeo abaixo].

O sistema da irrigação funcionava por meio de bombas elétricas "que passavam por poços em sequência que retiravam água da Barragem do Riacho do Pau até chegar nas plantações", conforme detalhou a Polícia Federal.


Ainda segundo a PF, foi constatado que o plantio "foi implantado com eficientes técnicas de preparo do solo e de cultivo, com o uso de adubação química e de vários implementos agrícolas. Isto demandou um grande investimento financeiro, a maior parte bancado pelo proprietário da fazenda".
Água utilizada na irrigação era retirada de uma barragem (Foto: Divulgação/Polícia Federal)Água utilizada na irrigação era retirada de uma
barragem (Foto: Divulgação/Polícia Federal)
Toda a plantação foi incinerada junto com 120 kg da droga - que estavam dentro de sacolas. De acordo com a Polícia Federal, caso os 36 mil pés fossem colhidos e prensados, daria para se fazer 12 toneladas de maconha.

Um agricultor de 26 anos foi encontrado trabalhando na plantação de maconha. Ele foi autuado em flagrante e levado para o Presídio Advogado Brito Alves, em Arcoverde.

O dono do plantio e da fazenda - um homem de 43 anos - chegou a ser levado para a unidade prisional, mas foi solto e responderá pelo processo em liberdade. Além da dupla, três pessoas que participavam do cultivo da droga foram identificadas e serão indiciadas por tráfico e associação para o tráfico, de acordo com a PF.

Caso sejam condenados, os envolvidos podem pegar uma pena que varia de cinco a 15 anos de reclusão. Os detidos foram levados para realizar exame de corpo de delito no Instituto de Medicina Legal (IML).

Do G1 Caruaru 

Nenhum comentário:

Postar um comentário