Governo de Pernambuco

Governo de Pernambuco
Trabalhando

quinta-feira, 10 de novembro de 2016

Em PE, 300 mil pessoas recebem água só de carro-pipa, diz Compesa

Dos 87 reservatórios existentes no estado, 42 estão situação de colapso.
Segundo companhia, 1,1 milhão de habitantes têm abastecimento precário.

O estado de Pernambuco vive uma crise no abastecimento de água. Dos 87 reservatórios, 42 estão em colapso. Isso reflete na vida de milhares de pessoas. Segundo a Companhia Pernambucana de Saneamento (Compesa), atualmente, 1,1 milhão pernambucanos têm atendimento precário. Desse total, 300 mil são atendidos apenas por caminhão-pipa.
Segundo dados da Agência Pernambucana de Águas e Clima (Apac), dos reservatórios que estão em colapso, 15 se encontram no Agreste e 27 no Sertão. Sendo assim, 48% das unidades monitoradas pela agência não têm condições de fornecer água.
A Compesa possuía captação em 14 dos 87 reservatórios. Todos secaram. São eles: Tabocas, Mateus Vieira, Poço Fundo, Santana II, Ipaneminha, Mororó, Pedro Moura Jr., Duas Serras, Taquara, Barra, Cachoeira I, Marrecas, Rosário e Saco I.
Ao todo, 28 cidades eram abastecidas pelos reservatórios que estão em colapso. Já 25 municícios são atendidos por unidades consideradas em pré-colapso, ainda segundo a Compesa.
Funcionário da Compesa há 18 anos e à frente da diretoria regional do interior há pouco mais de um ano, Marconi de Azevedo, comenta que nunca viu uma seca tão devastadora como esta. Para ele, o retrato dessa realidade é desolador.
“O prolongamento das condições climatológicas severas levou o Nordeste para uma condição de seca extrema. A maior seca que eu vi foi a de 1999 e não foi tão grande como essa. Nos 45 anos da Compesa, não houve uma seca dessa magnitude”, afirma.
A pior situação é registrada nas regiões do Agreste Setentrional e Meridional, em Vertentes, Toritama e Caruaru,  estendendo-se para as áreas de Belo Jardim, Tacaimbó e Pesqueira. 
De acordo com ele, o prejuízo mensal com o abastecimento de água por caminhão-pipa gira em torno de R$ 3,8 milhões. “Nós gastamos R$ 2,3 milhões com a distribuição e deixamos de arrecadar R$ 1,5 milhão. Isso porque não podemos cobrar esse fornecimento”, pontua.
Contudo, essa distribuição não é feita diariamente. A maioria dos municípios atingidos sofre com um rigoroso sistema de racionamento de água. Com o recente colapso da barragem Riacho do Pau, Arcoverde, por exemplo, terá cinco dias com água e 23 sem.
“Procuramos uma estação de tratamento mais próxima e saímos distribuindo essa água. Depositamos em reservatórios que parecem uma caixa d´água na cidade. A estação serve, então, como uma espécie de chafariz para a população, que busca água nela”, explica Marconi.
A Apac fez uma avaliação para  2017, tendo em vista o quadro geral no estado. Segundo o gerente da Apac, Clênio Torres Filho, é necessário uma chuva bem acima da média para recuperar as barragens que alimentam as regiãos do Agreste e do Sertão.
"São eventos extremos que não acontecem todo ano. O último que ocorreu no Agreste foi em 2011 e no Sertão, em 2009. A previsão é que ficaremos cinco anos sem ter esses eventos", prevê ao destacar que o Agreste é a região mais afetada, quando se leva em conta o abastecimento de água.
"A situação é muito crítica. O Sertão é menos vulnerável devido ao Rio São Francisco. O problema do Agreste é que ele é abastecido exclusivamente pelas barragens e elas estão secando", diz.
Tido como um dos vilões para essa grave seca, o El Niño deverá recuar, o que permitirá uma mudança no clima. "Ele se instalou. Tivemos um longo período com ele e isso acarretou uma situação desfavorável. O cenário que está se instalando agora é melhor, mas será preciso muita água para recuperar esses reservatórios de uma vez", diz.
Até lá, Marconi admite que só resta esperar pelo melhor. “Planejamos para 2017 um orçamento de R$ 220 milhões, mas o governo federal só mandou metade disso até agora. Essa crise só fez piorar a situação. Tudo fica mais difícil e o estado não pode abandonar esses municípios”, encerra.

Do G1 Caruaru 

Nenhum comentário:

Postar um comentário